Ocaso - Ocaso

Ocaso

Eu quis te sentir à mão, Os rastros de sangue Sob a neve cálida E as folhas soterradas Em sua tez e extensão. Quis ouvir sua veia Prestes a expirar, O peito trêmulo e a Presença extrema Curvados pela súbita e Imponderável tensão. Obstante, tive apenas O comedimento morto, Um subpeso ideal aos Ventos que […]

Leia Mais

Desmemória

Desmemória

Certa vez me perguntaram da poesia qual era o seu mais bruto material, e com olhos vazios creio que, obliquamente, me calei. Só num dia de semáforos intermináveis, com um substantivo desejo de criar a minha própria pequena guerra mundial, me dei conta de que a poesia é feita do que se esquece. Ou, como […]

Leia Mais

O fabuloso dia do Sr. H.

O fabuloso dia do Sr. H.

Acordou às seis da manhã com sua honestidade insuspeita e desceu as escadas de seu reino fazendo ranger as tábuas sob o peso de suas meias antiquíssimas. O dia se insinuava muito perfeito para homens tão tortos, e sentindo purgar seus pecados, queimou propositalmente a língua com grandes goles de café amargo. Lustrou as botas […]

Leia Mais

Recomeço

Recomeço

Só hoje notei que as cadeiras já estão bambas e que a lâmpada do quintal, de súbito, em algum momento morreu. Percebi que a gaveta não mais fecha sua boca nem esconde sua língua seca de sem salivar, e que vilancetes e madrigais (ou mesmo rondós e haicais) por ora não fazem sentido. Através do […]

Leia Mais

Erato

Erato

Suas costas europeias te faltam asas e penas onde eu possa diariamente contar poemas e é quase o espaço entre as suas costelas o ar que me prende me falta e me encerra. Seu ombro comigo pode ser leito pras minhas narinas e mesmo pra aves eventuais e sua boca quando assim carmesim, só me […]

Leia Mais