Flipoços

Festival Literário de Poços de Caldas e 12ª FNLPC

Entre os dias 29 de abril e 1º de maio de 2017, pude conferir de perto as múltiplas atividades que marcaram o primeiro final de semana do Festival Literário de Poços de Caldas (Flipoços) e a inauguração da 12ª Feira Nacional do Livro de Poços de Caldas (FNLPC).

Com uma programação variada e voltada para todos os públicos, o evento que esse ano homenageia Moçambique e sua rica cena literária, trouxe diversos escritores internacionalmente reconhecidos daquele país, tais como Paulina Chiziane, Ungulani Ba Ka Khosa e Dany Wambire.

A abertura do festival aconteceu no sábado, 29 de abril, às 19:00 horas, no tradicional Teatro da Urca, e contou com a participação de escritores, editores, jornalistas, autoridades e amantes da literatura em geral. E embora essa tenha sido a solenidade oficial, ao longo de todo o dia ocorreram atividades diversas, como as homenagens ao escritor Murilo Carvalho e a mesa temática intitulada Como Nasce um Romance, que contou com a participação do membro da Academia Brasileira de Letras, Antônio Torres.

Bernardo Carvalho e Manuel da Costa Pinto - Os Demônios da Escrita
Bernardo Carvalho e Manuel da Costa Pinto – Os Demônios da Escrita
Afonso Cruz
Quem vos fala, pedindo um autógrafo ao escritor português Afonso Cruz

No domingo, dia 30, a programação recomeçou logo pela manhã, com lançamentos de livros, mostra de cinema e eventos voltados ao público infantil, com especial destaque para o Teatro de Bonecos apresentado no Espaço Leiturinha. Ao longo do dia, assisti à mesa Os Demônios da Escrita, que contou com a participação do dramaturgo Bernardo Carvalho e do crítico literário Manuel da Costa Pinto, uma instigante conversa acerca dos imponderáveis caminhos percorridos tanto pelo escritor quanto por sua obra durante o seu processo de concepção. Mais tarde, estive presente também na mesa intitulada Encontro com a Literatura Portuguesa, mediada pela professora Susana Ventura e que teve a participação do escritor Afonso Cruz, um dos nomes mais premiados da atual cena literária de Portugal. O autor, que também é músico, ilustrador e realizador de filmes de animação, aproveitou o evento para lançar o seu mais novo romance, Flores, e falou um pouco sobre sua vasta obra, largamente reconhecida na Europa, mas ainda pouco difundida por aqui.

À noite, o romancista amazonense Milton Hatoum proferiu uma palestra especial, na qual discorreu sobre sua trajetória literária e deu algumas pistas sobre seu próximo romance, já em vias de chegar às livrarias. Na condição de patrono do evento em sua atual edição, Hatoum também falou um pouco acerca de seu processo criativo e das adaptações de sua obra para os quadrinhos, televisão e cinema. Um bate-papo a um só tempo culto e descontraído, e que brindou os admiradores desse que é, certamente, um dos nomes mais importantes da história literária recente do Brasil.

Para além das mesas e palestras, a 12ª Feira Nacional do Livro de Poços de Caldas levou ao público uma infinidade de estandes editoriais e títulos, muitos dos quais recém-saídos do prelo. No amplo espaço dedicado à exposição dos livros era possível encontrar material para todos os gostos, públicos e bolsos, garantindo-se assim a pluralidade e o tão necessário acesso democrático ao mundo do livro.

E para coroar o clima de confraternização cultural que tomou conta da cidade, o festival Comida di Buteco, que Comida di Butecoocorria simultaneamente, garantiu aos participantes a oportunidade de degustar petiscos e pratos autorais, tudo isso regado por uma ampla carta de cervejas e chopes especiais.

Foi um final de semana agradável em todos os aspectos, no qual pude mais uma vez travar um contato estreito com o universo literário e seus promotores, fãs e escritores, além de proporcionar a toda família uma programação turística culturalmente rica, lúdica e em contato com a natureza. Isso porque, entre uma mesa e outra, foi possível apreciar, com minha mulher e filho, a beleza da Fonte dos Amores e a tranquilidade do Recanto Japonês, verdadeiras ilhas verdes incrustradas no coração da cidade.

O Mercado Editorial e Políticas Públicas para o Livro
O Mercado Editorial e Políticas Públicas para o Livro

Na segunda-feira, dia 1º de maio, ainda estive presente em mais uma mesa, que versava sobre o Mercado Editorial e as Políticas Públicas para o Livro, da qual participaram membros das Câmaras Brasileira e Mineira do Livro e representantes do Ministério da Cultura. Uma discussão importante na qual foram destacadas as limitações, potencialidades e perspectivas para o mercado livreiro no país.

Ao meio dia e meia, quando retornei ao carro para encarar os mais de quinhentos quilômetros de volta para a casa, a sensação só poderia ser melhor se tivesse a possibilidade de continuar participando do evento. Isso porque o Flipoços e a 12ª Feira Nacional do Livro de Poços de Caldas continuam ao longo dos próximos dias, se encerrando apenas em 07 de maio. Até lá inúmeras atrações, eventos e autores passarão por essa acolhedora cidade do Sul de Minas, proporcionando uma bela experiência a todos que apreciam a literatura e, de quebra, os prazeres da boa mesa.

Alexandre Ladeira

Sociólogo e professor por profissão, o autor desse blog sente pela literatura algo inescapável. Leitor apaixonado, escreve desde a infância sempre às sombras das gavetas ou apenas aos olhos das pessoas mais íntimas. Com o Veia, o pai do pequeno Pablo espera ir além, na esperança de que seu texto alcance um público mais amplo. Sem qualquer pretensão, almeja conciliar a sua necessidade pela escrita com a possibilidade de tocar outros corações e mentes igualmente apaixonados pelo universo literário e pelos múltiplos sentidos dessa forma de expressão.